Curiosidades Universais


A física é a coisa mais doida que podemos estudar. Coisas realmente estranhas acontecem nesse campo da ciência. Por isso nós selecionamos alguns fatos malucos para que você entenda os motivos pelos quais os físicos são considerados loucos.

1 – Se o Sol fosse feito de bananas seria tão quente quanto é normalmente

O sol funciona de maneira bastante simples: devido sua enorme massa ele cria uma descomunal gravidade. Por isso seu núcleo sofre uma pressão inimaginável, que faz com que os átomos de hidrogênio que o compõe comecem a se bater lá dentro, de forma que eles se fundem gerando hélio. O que sobra dessa fusão nuclear é energia pura (como nas bombas atômicas), e isso que faz com que ele seja muito quente.
Mas o interessante é que se o sol fosse de bananas, ele esquentaria do mesmo jeito, pois a teria a mesma massa e geraria a mesma pressão. O problema é que por as bananas não serem de hidrogênio ele se consumiria muito mais rápido.

2 – Toda a raça humana cabe em uma colher

Todos devem conhecer a estrutura de um átomo, ela é mais ou menos como na figura a direita.
Agora imagine: se sua mão fechada fosse aquele núcleo verde e vermelho. Os elétrons voando em volta deles estariam circulando ao núcleo (sua mão) a 20Km de distância! Ou seja, 99,999999999999999999999% de um átomo são espaços vazios.
Agora se pegássemos toda a humanidade e retirássemos todos esses espaços de todos os seus átomos, todas as pessoas do mundo caberiam em uma colher de sopa.

3 – Quase todo universo é invisível

Acredita-se que existam 100 bilhões de galáxias no universo e cada uma delas pode ter até 100 trilhões de estrelas. O problema é que mesmo essa infinidade de matéria representa apenas 2% da massa total do universo.
Mas como que se sabe isso se só “vemos o visível”? Como sabemos que existe algo invisível por aí?
Gravidade é a resposta. Os cientistas notaram que toda a força da gravidade aplicada sobre as galáxias não é correspondente a massa visível, ou seja, existe algum tipo de matéria ocupando boa parte do espaço que não podemos ver, apenas sentimos sua presença na forma de gravidade.

4 – Existe um infinito número de pessoas iguais a você em algum lugar

Atualmente a cosmologia nos diz que pode existir um número infinito de universos paralelos, que seriam mais ou menos como bolhas de sabão voando no espaço. Logo, se existem infinitos universos, quer dizer que existem infinitos “eus” e “vocês” por aí. Como são infinitos, existem um infinito número de pessoas lendo esse texto em outros universos, assim como existe outro infinito números de pessoas que o escreveram.

5 – Buracos negros não são negros

Os buracos negros na verdade estão mais para “escurinhos” do que para totalmente negros, mesmo por que de tempos em tempos eles liberam luz. Então se eles liberam luz, eles perdem energia e se não houver mais massa e luz para eles sugarem a sua volta, algum dia eles morrem.

6 – Essa coisa de passado, presente e futuro é papo furado

Segundo a Teoria da Relatividade de Einstein, cada um tem seu tempo, nós só vivemos em tempos semelhantes pois estamos nos movendo em velocidades iguais. Mas se nós vivêssemos em velocidade diferentes o tempo passaria de maneira diferente para cada um de nós.
Isso é comprovado com os satélites GPS que ficam orbitando a Terra. Os relógios internos desses aparelhos mostram que o tempo passa mais devagar para eles, pois eles voam em velocidade mais rápida que nós e estão sofrendo menos influência da gravidade.

7 – Quanto mais rápido você se mover mais pesado você fica

Antes que alguém fique fazendo piadinhas que correr engorda, devo informar que esse aumento de peso é momentâneo…
Tendo a velocidade da luz como limite, imagine que você está correndo no limite dela, de repente alguém lhe empurra, ou seja, você deveria ir mais rápido, mas como já está no limite essa energia acaba virando massa, e você ganha peso.

Conheça: BUDA

Há cerca de 2.500, nasceu Siddhartha Gautama, filho único do grande rei Sudodana e da bela rainha Maya de Kapilavasthu, no norte da Índia, próximo ao atual Nepal . Lá vivia o clã dos Sakyas.

De acordo com os costumes da época, uma mulher que estivesse para ter um filho deveria retornar à casa dos pais.

Durante a viagem, a comitiva parou num jardim chamado Lumbini para um breve descanso. Mas, enquanto a rainha repousava embaixo de uma árvore começou sentir dores e entrou em estado de parto. Em seguida deu à luz a um belo menino.

Uma semana após o nascimento do príncipe, sua mãe, a rainha Maya adoecia e morria. A partir daí o menino passaria a ser criado pela Princesa Prajapati.

Os pais lhe deram o nome de Siddharta Gautma. Siddharta significa "desejo satisfeito".

Siddhartha foi um menino como outro qualquer, cheio de energia e ambição. Recebeu a melhor educação possível na época, por ser o príncipe herdeiro. Dentre os cavaleiros, era o melhor, excelente arqueiro e lutador, bem como gênio mental.

Ao crescer, interessou-se em descobrir a causa de todos os sofrimentos da vida. Perdeu o interesse pelos esportes e pela política e, apesar do pedido do pai, para que assumisse o trono, abandonou o belo palácio paterno e tornou-se um buscador da verdade. Tinha então 29 anos.

Percorreu todo o país nos seis anos seguintes, procurando mestres e ensinamentos através dos quais pudesse resolver os muitos problemas da vida. Primeiro, foi aos brânames e tentou, com sua filosofia, resolver os problemas humanos. Depois estudou com um grupo de ascetas, adotando sua vida severa e contemplativa. E assim ele prosseguiu, durante seis anos, estudando todas as escolas de religião e filosofia; inutilmente, no entanto. Nenhuma daquelas escolas lhe oferecia uma resposta satisfatória.

Certo dia, depois de banhar-se nas águas do Nairanjana, sentou-se sob uma figueira e meditou, e ali, após aqueles anos de observação e experiência, finalmente descobriu a verdade, alcançou a iluminação e chamou a si mesmo de Buda. Tinha então 35 anos. Até aquele momento, o príncipe Sidarta não era Buda.

"Buda" é um termo sânscrito que significa "O Iluminado". Buda não foi uma divindade, nem qualquer espécie de deus, nem um profeta como há em muitas outras religiões. Buda foi um homem que encontrou a verdade e viveu a verdade.

Buda viveu até os 80 anos e, assim, durante quarenta e cinco anos, ensinou o caminho de vida que ele próprio encontrara. Foi um filósofo, psicólogo e líder espiritual prático e realista. Foi o primeiro a negar o sistema de castas, dizendo que um homem deve ser julgado por suas qualidades e não por seu nascimento. Portanto, contra o forte conformismo de sua época, foi corajoso o bastante para denunciar o rígido sistema de castas da Índia. Foi contra os complexos rituais religiosos daqueles dias; aboliu os conceitos antropomórficos e não acreditava na idéia dualística de um eu ou alma independente, enquanto entidade separada. Explicou que todas as coisas estão relacionadas umas às outras pela Lei de Causa e Efeito.

Fonte: http://www.rkk.org.br

VALORES - por Robert Happé

Estamos vivendo no momento mais emocionante da nossa história, onde todas as pessoas da nossa terra estão convidadas a participar na transformação do mundo em andamento, e na renovação espiritual da humanidade.
Uma nova intensidade de luz e energia, esta varrendo toda a nossa terra, estimulando a consciência das pessoas a ver mais claramente o que é certo e o que é errado.
Um novo entendimento está crescendo nas mentes de muitos, que todas as pessoas precisam amar e ser amadas.
Este período deve ser registrado como o Despertar, onde todos nos iremos perceber que somos uma família e precisamos cuidar um do outro.
A abundância maciça de luz cria uma oposição energética para tudo que é sombrio e negativo, causando mudança e equilíbrio cármico.
A limpeza da casa está acontecendo nos governos, nas instituições financeiras e educacionais, na saúde e na mente de todos.
Em suma, tudo aquilo que formou as nossas crenças está exposto para que o negativo seja purificado
Viver neste mundo de 3ª dimensão significava ser uma experiência de aprendizagem; como integrar as polaridades que você atrai e aprender a amar aquilo que ainda não está em equilíbrio.
Entretanto isto não é fácil em um mundo onde a maioria das pessoas é movida pela ganância e egoísmo.
Decepção e corrupção estão em toda parte, onde os mais altos níveis do sistema afetam os níveis abaixo, poluindo nossa natureza espiritual e a Mãe Natureza.
Quando começamos a perceber que a nossa vida é cheia de realidades inaceitáveis, nos tornamos estimulados a exercer a partir de nosso interior, nossas capacidades criativas de modo a tornar a vida mais amigável através de demonstrações cooperativas e atitudes construtivas.
A mudança depende mais das mudanças do grupo e da consciência coletiva.
Quanto mais pessoas optarem por evoluir espiritualmente e funcionar dentro de princípios universais, mais fáceis serão as mudanças.
Nós ganhamos sabedoria através da experiência, para cada ação há uma reação.
Como civilização, não temos agido para o bem maior das pessoas nem da natureza, nos tornamos uma sociedade governada pela ganância e pelo egoísmo, poluindo a visão de paz e equilíbrio.
Agora, vivemos em uma época diferente um momento de transição, temos que tomar uma decisão; servir o positivo ou o negativo, a sombra ou a luz, servir os outros com suas habilidades e ajudar na criação de um mundo mais amigável, ou ignorar a oportunidade?
É só quando for possível reconhecer a escuridão e a luz, que seremos capazes de dizer não aos pensamentos de ações não cooperativas e de desamor.
A missão é ajudar a elevar a mentalidade e se tornar consciente das coisas boas da vida.
Não trabalhar mais sem vontade ou com o pensamento na pressão constante de ter que pagar suas contas.
A escuridão que permitimos e contribuímos, mesmo que inocentemente, deve ser transmutada a fim de introduzir um maior nível de consciência e assim a paz.
Trabalho é como o seu amor se manifesta, e pode ser uma expressão artística de quem você é!
Não trabalhar mais apenas pelo ganho material, mas que seja uma expressão de alegria em como criar um serviço ao próximo.
Logo as pessoas irão ao trabalho não porque precisam, mas porque querem, expressando-se em atividades que são significativas e gratificantes.
Determinação para enfrentar os desafios diários com o melhor de nossas habilidades, em casa, no trabalho, e sentir-se grato do aprendizado recebido por fazer isso, é altamente recomendável.
Quando você vive com o coração, e é capaz de compartilhar seu tempo e conhecimento sem expectativas, sendo gentil com aqueles que vêm no seu caminho, (incluindo os animais, ou estranhos) você cria uma sensação de que tudo está bem com o seu mundo.
Perdoar, mesmo sem esquecer, é um exemplo de amor incondicional, que é a energia mais poderosa conhecida para a transmutação.
A vida é uma jornada de auto-descoberta.
Quando descobrimos quem somos, ficamos em paz com nós mesmos, e ao mesmo tempo, começamos a entender o propósito da experiência e da vida.
Aqueles de nós que aprenderam a trabalhar juntos em cooperação com os outros, para eles o trabalho se torna criação lúdica.
Quando decidimos participar do despertar espiritual, co-criamos numa missão universal, em que o Amor o Progresso e a Responsabilidade tornam-se o objetivo final.

SEJA VOCÊ MESMO - por Osho

Todo o meu ensinamento pode ser condensado nestas três palavras: seja você mesmo.


Uma ocasião eu citava Morarji Desai, que disse só ter uma ambição na vida: conhecer Deus e alcançar as alturas da verdade. Que mal Deus fez a Morarji Desai? Por que ele quer ir atrás de Deus? Não é suficiente ser ele mesmo?

Será que alguém tem que conhecer Deus? Por quê? Para quê? E o que você vai fazer mesmo que conheça Deus? Vai continuar tão tolo quanto é agora. E, mesmo que venha a se encontrar com Deus, o que vai fazer? Vai dizer: "Olá, como vai o senhor? Que tempo bom, não é?". E o que mais?

O que você vai fazer, afinal? Ao conhecer Deus, você não vai conhecer a si próprio. E uma pessoa ignorante que não conhece a si própria... como pode conhecer Deus?

O autêntico buscador nada tem a ver com Deus; ele quer conhecer a si próprio. Esta é a coisa mais fundamental — conhecer a si próprio —, porque a partir daí vem todo o conhecimento, toda a luz.

Se um indivíduo conhecer a si mesmo, ele conhecerá Deus também. Na verdade, só quando o indivíduo conhece a si mesmo ele é que ele se torna capaz de conhecer o supremo, porquebem no âmago de seu ser o supremo está presente.

Mas os religiosos dizem: "Conheça Deus! Tente experimentar Deus!". Essa é, como eu já disse, uma estratégia, a mesma estratégia para desviar você de si mesmo.

E essas pessoas como Morarji Desai pensam que são religiosas, mas não são nem um pouco. A pessoa religiosa só tem um anseio... e, lembre-se, não é uma ambição, é um anseio.

E há uma diferença tremenda entre ambição e anseio. Ambição é da mente, anseio é do coração. Pertencem a centros diferentes.

Osho, em "Filhos do Universo: Reflexões sobre Desiderata"


Mais lidas da semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...